Labiatas – a família curandeira (parte 2 de 4)

Alguns exemplos de plantas labiatas importantes no uso da Aromaterapia:

Lavandula

Possui aproximadamente 60 espécies diferentes, sem contar as subespécies. As espécies mais usadas em Aromaterapia são: Lavandula officinalis (ou L. augustifolia), Lavandula x intermédia, Lavandula spica e Lavandula latifolia.

Propriedades do óleo essencial de Lavandula offcinalis:
Analgésico, antisséptico, cicatrizante, desodorante, antidepressivo, carminativo (reduz gases intestinais), diurético, sedativo, citofilático, emenagogo (conduz à menstruação) e hipotensor. Como regenerador celular, é um dos óleos mais indicados, podendo assim ser usado em qualquer tipo de pele (seca, oleosa, rachada, normal) e também em qualquer estado da pele (dermatite, acne, eczema, seborréia). Em caso de queimadura é o melhor.Lavandula latifólia (lavanda spike) possui propriedades semelhantes, bem como as outras, porém o óleo produzido é de qualidade inferior, apesar da planta fornecer óleo em quantidades maiores que a Lavandula officinalis.

Alecrim

O gênero Rosmarinus possui 23 espécies, a mais usada em Aromaterapia é a Rosmarinus officinalis. O alecrim desenvolveu vários quimiotipos em regiões climáticas diferentes, por ex: QT cânfora, QT cineol e QT verbenona. O alecrim-do-campo ou Bacchans dracunculifolia não faz parte da família das labiatas.

Propriedades do óleo essencial de Alecrim:
Analgésico, antisséptico, cicatrizante, antiespasmódico, digestivo, diurético, hipertensor, estimulante, cefálico, reaviva a memória, indicado para queda de cabelo e caspa.

Hortelã

O gênero Mentha possui aproximadamente 48 espécies. As mais usadas em Aromaterapia são: Mentha arvensis (hortelã doce), Mentha piperita (hortelã pimenta), Mentha spicata, Mentha viridis, Mentha pelugium (poejo).

Propriedades dos óleos essenciais do gênero Mentha:
Analgésico, antisséptico, adstringente, antiespasmódico, cefálico, carminativo, digestivo, expectorante, febrífugo, emenagogo. Ótimo se usado no banho como um óleo revigorante e refrescante no verão, e também como enxaguante bucal. A Mentha viridis é mais fresca e menos acre que a Mentha piperita. A Mentha pelugium (poejo) tem a fragrância semelhante à Mentha piperita (hortelã pimenta), porém menos acre. Em doses elevadas, o poejo pode ser abortivo. A Mentha arvensis é menos adocicada que a Mentha piperita.

Patchouli

O gênero Pogostemon possui 126 espécies, sendo os mais usados em aromaterapia: Pogostemon patchouli e Pogostemon cablin. As duas espécies possuem propriedades muito semelhantes.

Propriedades do óleo essencial de Patchouli:
Antidepressivo, antisséptico, descongestionante, cicatrizante, desodorante, sedativo, bactericida e fungicida. É um óleo anti-rugas, rejuvesnecedor da pele, afrodisíaco, e tem sido muito usado em perfumaria como fixador. Curiosamente, o patchouli tem a rara propriedade de melhorar de odor com a idade. Como uma planta do calor, é como o sol: estimulante em pequenas doses e sedativo em grandes doses.

Sálvia

O gênero Sálvia possui 1.800 espécies, as mais usadas em Aromaterapia: Sálvia officinalis (salveta) e Sálvia esclarea (esclareia). As duas espécies possuem propriedades parecidas, porém a esclareia dá ênfase especial nas doenças da mulher (ex. regulação da menstruação, frigidez, menopausa, leucorreia).

Propriedades da Sálvia esclarea:
Antidepressivo, antisséptico, antiespasmódico, adstringente, carminativo, desodorante, emenagogo, digestivo, hipotensor, sedativo e uterino.

Hissopo

O gênero Hyssopus possui aproximadamente 55 espécies. A mais usada em Aromaterapia é a H. officinalis. O hissopo anis pertence a outro gênero denominado Agastache, espécie foeniculum, este também usado em Aromaterapia. Os dois possuem propriedades semelhantes, apesar de serem de gêneros diferentes.

Propriedades do óleo essencial de Hissopo:
Antisséptico, antiespasmódico, carminativo, cicatrizante, digestivo, diurético, emenagogo, expectorante, sedativo e regulador da pressão sanguínea. Curiosamente, o hissopo anis produz grande quantidade de néctar que dá o aroma de anis ao mel dessa flor. É uma flor muito comestível entre os americanos. As flores são bem perfumadas e atraem borboletas e beija-flores.

Texto preparado por Giseli Fernandes, estudiosa sobre óleos essenciais, óleos vegetais e produtos naturais terapêuticos. Publicado no site da Phytoterápica.

Confira as demais partes deste artigo, com alguns exemplos de plantas labiatas importantes no uso da aromaterapia:
Labiatas – parte 1 de 4
Labiatas – parte 3 de 4
Labiatas – parte 4 de 4

Esse post foi publicado em artigo e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Labiatas – a família curandeira (parte 2 de 4)

  1. Pingback: Labiatas – a família curandeira (parte 1 de 4) | Sensações Phytoterápica

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s